Existência Relativa

10 de December de 2014

Portas

Filed under: de fora pra dentro,Uncategorized — Mãe de 04 @ 11:05 AM

Era uma casa onde a porta principal vivia trancada. A chave ficava no trinco, mas raramente era aberta.

Um dia de sol, daqueles que santa clara especialmente prepara para receber alguém especial, a porta da frente se escancarou.

Nem pano para limpar os pés foi posto na fachada da casa. Era permitido entrar e sair quantas vezes se desejasse.

Ela entrou devagar. Parecia conhecer o local, saiu tateando os móveis de olhos abertos, e as vezes bem fechados. Com o tato pode perceber até a luz que entrava pela janela. Era tão forte que dava para sentir na pele.

Andou tão à flor da pele, devagar, como se todo o tempo do mundo fosse dela e coubesse no bolso esquerdo do casaco de bolsos invertidos.

E cabia mesmo.

Do nada a porta bateu e ela foi arremessada para fora. Sem sinal de vento, sem ajuda de ninguém, pelo menos foi assim que ela percebeu aquele movimento e passou a enxergar com dificuldade o que sentia.

Agora está lá, sentada à beira da porta, criando coragem para de levantar e correr dali e talvez com esperança de que antes disso ela se abra novamente.

Enquanto for possível.

Advertisements

Leave a Comment »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

Blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: